A DURAÇÃO DA MALDIÇÃO NO INFERNO? – Série Meditações – Por Pastor Luiz Antonio

QUAL DURAÇÃO DA MALDIÇÃO NO INFERNOSobre este tema as opiniões são muito diferentes. Todos que creem na Bíblia, creem também que existe um inferno. Mas eles não concordam sobre o caráter e a duração do inferno.

Quanto tempo durará o lago do fogo e durante quanto tempo os perdidos terão permanecerão nele?

Há pessoas que acreditam e também ensinam que os maus queimam no inferno e serão destruídos até restar somente um punhado de cinzas. (Ou seja, haverá destruição total da alma do pecador).

Já outros ensinam que após certo tempo eles serão libertados, ou seja, é temporário, de modo que o inferno seria algo como um purgatório, e na verdade não um lugar de castigo eterno.

Eu, porém, creio que a Bíblia fala bem claramente sobre esse ponto. Ela ensina que os maus serão lançados no inferno por todos os tempos.

O termo “eterno” do grego “aion” e significa o mesmo que “uma era”. Mas uma era é de duração limitada.

Por isso, a expressão bíblica pe “para todo o sempre” e “pelos séculos dos séculos”, e mostra que se trata de um período de tempo sem fim. De modo geral essa é a maneira de expressão na língua grega antiga, quando se fala da Eternidade, de Eternidade sem fim.

Esse assunto é tão importante que vale a pena avaliar as palavras gregas.

A expressão “eternidade” é uma tradução do grego “tous aionas ton aionon”. E essa expressão é traduzida por “pelos séculos dos séculos”, e aparece exatamente treze vezes no último livro da Bíblia, no Apocalipse.

Ela é usada como segue:

  1. Nove vezes a palavra se refere a Deus, isto é, nove vezes é dito que Deus vive e domina “pelos séculos dos séculos”.
  2. Uma vez é utilizada para descrever a duração do tormento e castigo eterno do diabo no inferno.
  3. Duas vezes a mesma expressão é usada para a duração dos sofrimentos daqueles infelizes perdidos, que têm que suportar eternamente os seus tormentos.

Percebeu do que se trata realmente? Se a Bíblia diz “pelos séculos dos séculos, ela quer dizer” para sempre e eternamente”.  É um erro perigoso dizer que “eternidade” equivale a “um tempo determinado”.

Se a bíblia diz que os perdidos serão lançados no lago do fogo para sempre, então é exatamente isso que ela também quer dizer.

Se a expressão “tous aionas ton aionon” traduzida por “pelos séculos dos séculos”, não significar “eternidade”, então Deus também não é eterno, e também os santos não ficariam no céu e na gloria para sempre e eternamente.

Essa expressão é usada da mesma maneira para todos.   Se num caso ela significa “para sempre”, então é uma conclusão lógica que em todos os casos deve significar a mesma coisa.

 

 

Anúncios

1000 ANOS e nenhuma destruição! – Série Meditações – Por Pastor Luiz Antonio.

1000 anos E NENHUMA DESTRUIÇÃO“E a besta foi presa e, com ela, o falso profeta, que, diante dela, fizera os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no ardente lago de fogo e de enxofre.” (Ap 19.20).

Após a Grande Tribulação por ocasião da volta de Jesus em glória, esses dois, o anticristo (1ª besta) e o falso profeta (2ª besta) serão corporalmente lançados dentro do lugar chamado geena, o “lago do fogo”.

Lá eles passarão mil anos. Depois disso, também Satanás, será lançado nesse lugar de tormentos. É o que a Escritura nos diz claramente no Apocalipse 20. 10: “E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, ONDE ESTÁ a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.”. (Ap 20. 10).

NENHUMA DESTRUIÇÃO

“E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, ONDE ESTÁ a besta e o falso profeta…” (Ap 20. 10).

Essas palavras são muito importantes devem ser consideradas. Durante mil anos esses dois homens, o anticristo e o falso profeta, ficarão no lago do fogo e não sofrerão NENHUMA DESTRUIÇÃO.

Depois de mil anos, Satanás será reunido a eles, e lemos na Escritura com a maior clareza: “E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, ONDE ESTÁ a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.” (Ap 20. 10).

Portanto, após mil anos eles continuam lá, vivos. Por isso não podemos ensinar que o inferno seja um lugar de destruição. De modo nenhum trata-se de extinção da existência.

O inferno agora está completamente vazio e desabitado. Apocalipse 19.20 fala sobre a besta e o falso profeta que serão os primeiros habitantes do inferno (a geena de fogo).

Segundo a Bíblia em (Luc. 16, 22, 23), os perdidos atualmente encontram-se no “hades” (reino intermediário dos mortos). ” 22… e morreu também o rico e foi sepultado. 23 E, no Hades, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão e Lázaro, no seu seio”. (Luc. 16, 22, 23).

Os anjos caídos encontram-se em lugar chamado “tartaroo” (2 Pe 2.4).

 

DEPOIS OS PERDIDOS

No princípio do reino milenial de Cristo, a besta e o falso profeta serão lançados no lago do fogo. Mil anos mais tarde, o diabo segue para o mesmo lugar de tormento, e logo depois todas a suas vítimas, todos os seus seguidores, todos os incrédulos que não receberam a salvação em Jesus, serão reunidos a ele.

“E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo”. (Ap. 20,15).

No próximo vídeo nós vamos falar sobre a DURAÇÃO DA MALDIÇÃO NO INFERNO.

A Igreja não é um Lugar
Pastor Luiz Antonio
Até o Óbvio tem que
Pastor Luiz Antonio
Denominação Religiosa
Pastor Luiz Antonio
Dicernimento
Pastor Luiz Antonio
Escolher um tema é
Pastor Luiz Antonio
Espírito Santo, o guia
Pastor Luiz Antonio
Evanfelho Superficial
Pastor Luiz Antonio
Ficar Rico e ser Rico
Pastor Luiz Antonio
Missão se faz
Pastor Luiz Antonio
Momento e Memória
Pastor Luiz Antonio
Não é por medo do inferno
Pastor Luiz Antonio
O amor
Pastor Luiz Antonio
O Jovem Atento e o velho sábio 2
Pastor Luiz Antonio
O único que faz o que quer
Pastor Luiz Antonio
O Verdadeiro Avivamento Status
Pastor Luiz Antonio
Plano e trabalho
Pastor Luiz Antonio
Sabedoria é a capacidade
Pastor Luiz Antonio
Só os Ignorantes criticam a Bíblia
Pastor Luiz Antonio

A Etimologia do Inferno- Por Pastor Luiz Antonio – Série Etimologias.

A Etimologia do InfernoNa Bíblia encontramos termos como Sheol, Hades, Geena, Tártaro para definir a ideia do destino eterno dos condenados.

O Inferno era conhecido como:

  1. Buvana, entre os brâmaneses;
  2. Naraca, para os budistas;
  3. Ti-Iuh, para os chineses;
  4. Nuter-Quer, entre os egípcios antigos;
  5. Duzac, entre os persas;
  6. Helheim, na Escandinávia.
  7. Os Judeus o chamavam Sheol
  8. Os Gregos o chamavam Hades
  9. Os Maias o chamavam Xibalba
  10. A Bíblia dá a este lugar o nome de: “o lago de fogo”, e “a negridão das trevas”.

 

  1. Sheol é um termo hebraico traduzido em algumas versões da nossa Bíblia como inferno. É o nome hebraico do lugar para onde vão os mortos, e este lugar não é o “LAGO DE FOGO”, (o Inferno Eterno).

Sheol – o lugar dos mortos – É o lugar temporário onde se encontram os mortos não salvos.

  • O Dicionário Bíblico Strong Léxico Hebraico/Aramaico/Grego traduz como:
  • 07585 שאול sh ̂e’owl ou שׂאל sh ̂eol
  • 1) Seol, mundo inferior (dos mortos), sepultura, inferno, cova.
  • 1b1) lugar do qual não há retorno.
  • 1b3) lugar para onde os ímpios são enviados para castigo.
  • Livro do Gênesis 37:35 – Livro de Jó 7:9 – Salmos 86:13 – Salmos 139:8 – Livro de Jonas 2:2.

 

Hades

A palavra latina correspondente a Hades é inférnus e a hebraica é sheol. Embora haja quem defenda que hades seja somente a sepultura, esse termo refere-se a algo muito mais abrangente do que uma sepultura.

O Sheol/Hades comporta um número incontável de mortos, e sempre anseia mais, conforme (Provérbios 30:15, 16).

Hades é a transliteração para o português da palavra grega haídes, usada em várias traduções da Bíblia.

É o lugar onde se encontram os mortos entre o seu falecimento e a sua ressurreição (Lucas 16:23; Atos 2:27, 31; Apocalipse 20:13, 14).

Ao contrário de qualquer cova ou túmulo, que pode receber apenas um número limitado de mortos, “o hades/sheol não se farta”, conforme Provérbios 27:20.

Este contexto dá a entender que o hades/sheol nunca fica cheio ou que não tem limites.

  • O Dicionário Bíblico Strong Léxico Hebraico/Aramaico/Grego traduz como:
  •   86 Αδης hades = a sepultura, morte, inferno. “Geena de fogo”, inferno, isto é, o lugar da punição futura.

No grego bíblico o termo está associado com as regiões infernais, um lugar escuro e sombrio nas profundezas da terra, o receptáculo comum dos espíritos separados do corpo. (Lc 16.23; Ap 20.13,14).

Geena

Somente a palavra grega “GEENA” é traduzida corretamente do original significando “INFERNO”, o “LAGO DE FOGO”.

  • 1067 γεεννα geenna – No grego significa “fogo consumindo”. O termo é de origem hebraica. Em hebraico é Gehinnon, e se refere ao Vale de Hinom, um vale ao sul de Jerusalém, divisa entre Judá e Benjamim (Josué 15:8; 18:16).

Este termo é usado para designar o lugar de suplício eterno; O lago de fogo, Inferno. (Mateus. 5:22; 5:29-30; 10:28; 18:9; 23:15; 23:33; Lucas 12:5; Tiago 3:16). “Geena de fogo” traduz-se como inferno, isto é, o lugar da punição futura.

Tártaro

  • O Dicionário Bíblico Strong Léxico Hebraico/Aramaico/Grego traduz como:
  • 5020 ταρταροω tártaro – o abismo mais profundo do inferno.

É o nome da região subterrânea, sombria e escura, considerada pelos antigos gregos como a habitação dos ímpios mortos, onde sofrem punição pelas suas más obras; corresponde ao “Geena” dos judeus.

Todas essas palavras querem confirmar a ideia que há na consciência humana sobre o lugar da condenação eterna!

A palavra “Tártaro” aparece somente uma vez na Bíblia na 2ªde Pedro 2.4: “…Deus não poupou a anjos quando pecaram, antes, precipitando-os no INFERNO os entregou a abismos de trevas, reservando-os para juízo”.

Aqui também a palavra “INFERNO” não foi traduzida exatamente de acordo com o sentido do texto original grego que é “Tártaro”.

O inferno, uma necessidade moral numa estrutura moral corrompida! – Série Meditações – Por Pastor Luiz Antonio.

O INFERNO, UMA NECESSIDADE MORAL NUMA ESTRUTURA MORAL CORROMPIDA!Sobre a realidade do Inferno a Bíblia fala claro, mas esse vídeo só servirá pra você se você acredita na Bíblia como Palavra de Deus, portanto se você não crê na Palavra de Deus, então te faltara a base comum para dar valor a este vídeo, e todas as palavras que eu disser aqui não terão sentido pra você!

O Apóstolo João escreve em Apocalipse 21.8: “Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicários, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre, o que é a segunda morte”. (Apocalipse 21.8 – ARC).

O próprio Senhor Jesus, em Mateus 25 descreve o fim dos pecadores: “Então o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos… E irão estes para o castigo eterno, porém os justos para a vida eterna(Mt 25.41-46 – ARC).

Estas passagens bíblicas são suficientes para nos mostrar um pouco do que a Bíblia diz sobre o fim dos pecadores. Minha intenção é só meditar sobre o tema e apresentar argumentações que eu considero terem base bíblica, mas quanto a acreditar na realidade do inferno, é com você!

Em relação à existência do inferno sua opinião pode ser diferente da minha, claro, pois eu posso errar; mas se a sua for uma opinião diferente da Palavra de Deus, então você estará colocando em risco sua alma imortal. Portanto avalie o tema inferno com cuidado e temor.

 A EXISTÊNCIA DO INFERNO É NECESSÁRIA?

Com certeza há uma necessidade moral de retribuição para o mal e corrupção, tanto no mundo espiritual, quanto no físico!

As pessoas sempre dizem: “Não posso entender como um Deus que é amor pode enviar suas próprias criaturas para um lugar de tormento! Como um Deus amoroso deixará que suas criaturas sofram e sejam afligidas em um lugar como o inferno?

Na verdade, seria bom não deixar que somente nossos sentimentos interfiram nessa avaliação, mas vamos colocar também nossa razão e honestidade nesse caso para chegarmos a uma conclusão sem corrupção.

No final, o que importa é o que Deus tem a dizer sobre essa questão, e não o que eu e você pensamos sobre ela, já que Ele é o juiz.

O diabo está sempre pronto a propor o mesmo argumento que propôs a Eva.

Deus havia dito: “mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” (Gn 2.17). Mas o diabo disse a Eva: “É certo que não morrereis” (Gn 3.4). Era a opinião do Diabo em confronto com a de Deus. Quem venceu?

Além da Palavra de Deus, o próprio raciocínio e razão de um homem sensato dizem que deve haver uma retribuição, e também um lugar de retribuição.

A realidade do inferno se baseia nos princípios básicos da moral na nossa própria estrutura mundial.

Já pensou se fosse abolido o castigo dos criminosos e violadores da lei, o que aconteceria com a moral e dignidade humana.

A NECESSIDADE DO INFERNO PODE SER BASEADA NO FUNDAMENTO DE UM GOVERNO

O fundamento de um bom governo é a justiça. Os violadores da lei têm que ser castigados. Temos leis, segundo as quais ladrões, assassinos, mentirosos, trapaceiros e traidores são castigados, e ninguém acha que isso é injusto.

Mas quando se lê Apocalipse 21.8: “Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, o que é a segunda morte”, a maioria das pessoas acha injusto, por que?

Cada prisão e penitenciária em todo o mundo é um monumento à necessidade de um governo com moral e justiça, e reivindica o fato de que os violadores da lei têm que ser castigados.

Existe até a pena de morte para crimes hediondos e contra a vida humana, e também aí ninguém põe em dúvida o direito do governo nessa questão. Por que se quer então disputar o direito do Deus soberano e justo, de castigar os homens que ele mesmo criou e que se rebelam contra ele e sua santa lei?

Não passaríamos de injustos, insensatos, e meninos se quiséssemos negar a Deus o direito de retribuir aos irreconciliáveis com o castigo do inferno!

Se não houvesse uma justa retribuição, bem como a separação entre os maus e os bons, logo toda a estrutura moral da Humanidade, e, porque não dizer de todo o Universo da existência, ruiria completamente e se transforma em caos.

Se a morte acabasse com tudo e não houvesse retribuição justa (o inferno), como você veria Deus em relação aos déspotas mundiais cruéis como Hitler e outros, que levaram uma vida de luxo, subjugaram, maltrataram, saquearam, assassinaram e cometeram muitos atos abomináveis? Será que nossa fé na dignidade moral de Deus não ruiria completamente?

Medita que um Deus que usasse de demasiada bondade e amor e deixasse o pecado sem castigo, nem seria Deus! A proposito Ele estaria fazendo menos do que exige e reclama a justiça humana.

Não seja leviano e pare de brincar com o perigo da condenação eterna da tua alma!

PARA MEDITAR:

Suponhamos que não houvesse um inferno. Então eu, que creio na Bíblia que diz que o inferno existe, ao final, não perderia nada. Mas, se existir, e você não crê tem tudo a perder.

O INFERNO EXISTE! Série Meditações – Por Pastor Luiz Antonio.

O Inferno web

O inferno é uma realidade, e é terrível. Podemos nos rebelar contra essa verdade, podemos tentar nega-la, mas o fato permanece.

Eu também gostaria de crer que não houvesse um lugar de maldição eterna, mas se não existe um inferno, então a Bíblia é mentirosa, Jesus é um enganador, poderia violar qualquer lei, qualquer mandamento moral, e Deus não seria mais verdadeiro, santo e justo.

Se não existe um julgamento eterno do qual preciso ser salvo, então também foi desnecessária a vinda de Jesus como Salvador, sua morte teria sido um julgamento errado da parte de Deus, e a Bíblia se tornaria um livro de lendas obscuras e apavorantes, cheia de pessimismo.

Se não há um inferno, então todo pregador do Evangelho que adverte os pecadores sobre a ira vindoura de Deus não passa de um miserável, agoureiro, que deveria ser silenciado imediatamente e para sempre.

Mas se Deus e a Bíblia continuam com razão, e a existência do inferno é mesmo um fato inegável, então por outro lado, também todos os pregadores que não levantam sua voz para advertir os homens sobre a futura ira de Deus, não são nada mais que miseráveis, infiéis, traidores do seu próximo e obreiros desobedientes a Deus e à sua Palavra.

Mas se você pensa que essas palavras são muito drásticas, então vou te lembrar das palavras de Jesus em (Lucas 12.4-5): “Digo-vos, pois, amigos meus: Não temais os que matam o corpo e, depois disso, nada mais podem fazer. Eu porém, vos mostrarei a quem deveis temer: Temei aquele que depois de matar, TEM PODER PARA LANÇAR NO INFERNO. Sim, digo-vos, a esse deveis temer” (Lucas 12.4-5).

E em (Mateus 10.28): “Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma: temei antes aquele que pode FAZER PERECER NO INFERNO TANTO A ALMA COMO O CORPO” (Mateus 10.28).

Se essas palavras de Jesus não são verdade, então o Senhor se enganou e também não tem sentido continuar carregando a Bíblia e confiando nela.

A DOUTRINA DO INFERNO É ATUALMENTE A VERDADE MAIS ABAFADA

E disse-lhe: Amigo, como entraste aqui, não tendo veste nupcial? E ele emudeceu. 13 Disse, então, o rei aos servos: Amarrai-o de pés e mãos, levai-o e lançai-o nas trevas exteriores; ali, haverá pranto e ranger de dentes.” (Mateus 22.12-13).

A Palavra de Deus e Jesus mesmo ensinam sem contradição e não deixam dúvidas de que existe tanto um céu para os bem-aventurados, como um inferno para os perdidos. É uma exigência da Escritura, falar sobre esse tema impopular e na maioria dos púlpitos não se fala sobre ela, e em muitas igrejas esse tema é proibido, por pertencer às verdades desagradáveis que se prefere não tocar.

A palavra “inferno” pode hoje ser ouvida com muito mais frequência nas ruas, nos trens, nos ônibus em escritórios, etc. do que nos púlpitos das igrejas. Homens ímpios utilizam a palavra muito mais frequentemente para maldizer do que muitos pregadores na igreja para advertir. Na igreja onde deveria ser mais usada, ela é cuidadosamente evitada.

UM TRUQUE DE SATANÁS

É um perigoso truque de Satanás, nosso inimigo figadal, é retirar o temor de Deus e o medo do inferno do coração dos homens. É dito a nós com palavras diretas: “Não preguem sobre o juízo, não amedrontem as pessoas com a pregação de um Deus irado. Falem sobre um Deus de amor, sobre sua bondade, falem sobre a dignidade, sobre a paternidade geral de Deus”.

Talvez o inferno tenha perdido seus horrores para muitos, mas ele não perdeu nada da sua realidade. O inferno continua sendo um fato claramente descrito na Bíblia.

Na época de Noé nem um único estudioso cria nas palavras dele quando pregava sobre o dilúvio que viria. Mas ele veio mesmo assim.

Nós sabemos que um dilúvio universal aconteceu não somente porque a Bíblia o relata, mas também porque a Geologia pode comprova-lo cientificamente.

Também no tempo de Ló provavelmente não havia um único estudioso que cria que o juízo sobre Sodoma e Gomorra estava tão próximo. Mas ele veio assim mesmo, e todos morreram.

Os grandes e sábios do tempo de Jesus também não deram atenção às advertências dele, quando ele previu a destruição de Jerusalém e ameaçou com o juízo de Deus sobre a nação de Israel – mas com que abaladora pontualidade tudo aconteceu!

Bom, o que permanece então é que Deus é “verdadeiro, e mentiroso todo homem” (Rm 3.4).

Satanás realizou uma obra de mestre quando convenceu o homem que o inferno não é uma realidade, mas imaginação e fantasia do homem.

O inferno hoje se tornou tema de piadas, mas na eternidade todos saberão que a Bíblia estava certa quando advertia sobre sua existência.

JESUS USOU A PALAVRA ONZE VEZES

Em doze diferentes passagens do Novo Testamento é usada a palavra “inferno” traduzida corretamente do texto original e onde significa o lugar da maldição eterna. É admirável que essa palavra tenha sido dita onze vezes pelos lábios de Jesus, que era a própria mansidão e somente uma vez por um outro, ou seja, por Tiago em Tiago 3.6.

O fato de que a palavra “geena- inferno” tenha saído onze vezes dos lábios do Salvador, que era tão amoroso, misericordioso e manso, e que veio para salvar os homens da maldição eterna deveria ser um alerta suficiente pra nós.

A teologia moderna nega a existência do inferno, mas Jesus usou essa palavra Três vezes em seu Sermão do Monte. (Mt 5.22,29,30).  

 

Kairós ou Chronos? – Série Etimologias – Por Pastor Luiz Antonio

Nas Escrituras o tempo é um dom (presente) de Deus para os homens e as Escrituras aconselham a usá-lo com sabedoria.

Kairós ou Chronos4Sucedeu, pois, que, não havendo Isaías ainda saído do meio do pátio, veio a ele a palavra do Senhor, dizendo: 5Volta e dize a Ezequias, chefe do meu povo: Assim diz o Senhor, Deus de Davi, teu pai: Ouvi a tua oração e vi as tuas lágrimas; eis que eu te sararei; ao terceiro dia subirás à Casa do Senhor. 6E acrescentarei aos teus dias quinze anos e das mãos do rei da Assíria te livrarei, a ti e a esta cidade; e ampararei esta cidade por amor de mim e por amor de Davi, meu servo. (II Reis 20, 4-6).

12Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos coração sábio. (Salmos 90, 12).

A palavra tempo aparece mais de quinhentas vezes nas Escrituras. Os gregos antigos tinham duas palavras para o tempo: chronos e Kairós.

Chronos se refere ao tempo cronológico, ou sequencial, que pode ser medido. Kairós refere-se a um momento indeterminado no tempo, em que algo especial acontece.

Em Teologia, Kairós é chamado “o tempo de Deus”, mas não o tempo em que Deus vive; por que Deus não vive no tempo, Ele vive na eternidade, e eternidade não é tempo.

Em relação a nós podemos dizer que Kairós é o momento em que Deus realiza sua vontade em nossa vida!

Na visão moderna tempo é como um produto que pode ser usado de forma eficaz ou ineficaz, pode ser disputado, administrado, economizado, perdido ou até convertido em dinheiro, daí a expressão “tempo é dinheiro”. O tempo “chronos” nos obriga a sermos objetivos, rápidos e muitas vezes até impacientes, pois o relógio não para.

No entanto, “Kairós”, o “tempo de Deus”, deve ser aguardado por nós sem ansiedade, pois a seu tempo o Senhor realizará todo o seu propósito em nossas vidas. Nossa vida é limitada e permeada pelo tempo “Chronos,” enquanto aguardamos “Kairós tempo de Deus”.

Kairós é uma palavra da língua grega antiga que significa “o momento oportuno”“certo” ou “supremo”.

Na mitologia, Kairós é filho de Chronos (Deus do tempo e das estações).

Na Filosofia, Kairós é a experiência do momento oportuno. Os pitagóricos o tinham como “Oportunidade”.

Na disciplina Retórica, Kairós caracterizava “o momento fugaz em que uma oportunidade/abertura se apresentava e devia ser encarada com força e destreza para que o sucesso fosse alcançado”.

Enquanto o chronos é de natureza quantitativa, descrevendo o “tempo dos homens”, Kairós tem natureza qualitativa sendo usado também em teologia para descrever o “tempo de Deus”, mas não tempo no qual Deus existe, pois Deus existe fora do espaço/tempo. Kairós descreve o momento em que Deus realiza algo!

Kairós é um momento indeterminado no tempo cronológico em que algo especial acontece, é a experiência do momento oportuno. Kairós não pode ser medido, Kairós é para ser vivido.

Kairós não pode ser confundido com eternidade, primeiro porque eternidade não é tempo. Não pense em Kairós como eternidade como muitos fazem, pense em Kairós como “o momento oportuno” em que Deus realiza seu plano em nossas vidas.

O tempo é uma fenda na eternidade, enquanto eternidade é algo sem princípio nem fim.

No monoteísmo, Kairós (tempo) e Aion (Eternidade) são atributos do Deus único.

Se você espera algo de Deus fique no salmo 40 e espere Deus agir a seu favor!

Para os aspirantes ao ministério da Igreja, este deve acontecer em nossas vidas no tempo de Deus e nunca no nosso!

Barreiras para a Evangelização dos Povos não Alcançados no Brasil – Série Missiologia – Por Pastor Luiz Antonio

Barreira linguística.

Barreiras para a Evangelização dos Povos não Alcançados no Brasil webEntre as tribos indígenas brasileiras, fala-se mais de 180 línguas diferentes e apenas 34 têm o Novo Testamento traduzido. Precisamos de mais obreiros dispostos a traduzir a Bíblia para as línguas indígenas para que esses povos ouçam e cresçam no conhecimento da Palavra de Deus.

A barreira geográfica

Outra forte barreira natural contra a evangelização dos povos indígenas brasileiros é barreira geográfica.

Na maioria dos casos essas tribos residem em áreas de difícil acesso, longe de cidades e até mesmo de estradas, o que dificulta muito o acesso dos missionários.

A barreira Política

A terceira barreira na evangelização dos indígenas brasileiros é a barreira Política.

A postura atual da (Fundação Nacional do Índio) FUNAI é de vetar a entrada de missionários em muitas tribos, sob o pretexto de não afetar a cultura dos povos indígenas.

A expansão das ações missionárias evangélicas entre os indígenas, tem sido por vezes alvos de críticas de antropólogos e agências governamentais, que acusam essas missões de interferirem e provocarem modificações na cultura indígena.

Mas, quando se propaga o verdadeiro Evangelho entre as populações indígenas, a cultura autóctone não é atingida de maneira negativa porque a mensagem do Evangelho não visa a destruição cultural de nenhum povo.

É urgente que a Igreja se conscientize desse assunto e assuma uma postura defensiva em relação a missões, orando, jejuando e contribuindo. Não podemos ficar apáticos quanto à situação atual de missões no Brasil e no mundo.

A Diferença entre Evangelista e Missionário – Série Missiologia – Por Pastor Luiz Antonio.

A Diferença entre o Evangelista e o Missionário webMateus, Marcos, Lucas e João, são na tradição cristã chamados de os Quatro Evangelistas, são os autores dos quatro Evangelhos do Novo Testamento.

Evangelho segundo Mateus – (Habesorah alpy Mathay)

Evangelho segundo Marcos (Habesorah alpy Marcos)

Evangelho segundo Lucas (Habesorah alpy Lucas)

Evangelho segundo João (Habesorah alpy Yohanan)

 

Evangelista, é uma palavra que significa “aquele que proclama boas notícias”. Os quatro são chamados de evangelistas, porque seus livros contam a “boa nova” do “evangelho” de Jesus.

O termo evangelista é aplicado a Filipe em (Atos 21, 8):

“No dia seguinte, partindo dali Paulo e nós que com ele estávamos, chegamos a Cesareia; e, entrando em casa de Filipe, o evangelista, que era um dos sete, ficamos com ele” (Atos 21, 8).

Filipe, o evangelistaFylipos hamevaser (em hebraico).

Transliteração: mvaser

Tradução: aquele que traz boas notícias

O termo evangelista é aplicado também a Timóteo, como uma exortação em (II Timóteo 4:5): “Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério”. (II Timóteo 4:5)

Mvaser é diferente de shaliach. Mvaser e aquele que traz boas notícias (o evangelista), enquanto Shaliach é o enviado, o delegado, o emissário; mensageiro; o apóstolo, (o missionário).

Shaliach se refere também aos Apóstolos de Jesus Cristo (“Enviados” de Jesus Cristo) e a Paulo, que é chamado pelos judeus de (Shaul Hashaliach).

Shalu HáShaliach

O Missionário é aquele que se dedica a pregar o Evangelho para a conversão de alguém à sua fé, especialmente entre povos pagãos. E o Evangelista é aquele que prega o Evangelho na região onde sua igreja está plantada, podendo expandir para o estado e para todo o país. O Evangelista realiza um trabalho mais local, enquanto o missionário vai além das fronteiras, cultura e idioma.

A Escritura aos Efésios 4, 11 cita separadamente o ministério do missionário e do evangelista: “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores…”

Shelychim = Apóstolos

Mevaserym = Evangelistas

Evangelista e Missionário

Precisa-se de Missionários! – Série Missiologia – Por Pastor Luiz Antonio

Precisa-se de Missionários webHá no mundo hoje 1,2 bilhão de muçulmanos, 770 milhões de hindus, 360 milhões de budistas, e 2 bilhões de pessoas são consideradas cristãs.  Mesmo diante desse quadro religioso, será que ainda existe alguém no mundo que nunca ouviu o Evangelho? Sim, por mais difícil que pareça acreditar!

Precisa-se de Missionários! Porque vivem no mundo cerca de 2,5 bilhões de pessoas que nunca ouviram o nome de Jesus. Essa multidão representa 15 vezes a população do Brasil, 140 vezes a população da cidade de São Paulo.

Existem cerca de 190 nações politicamente organizadas no mundo; 12.500 grupos étnicos; 6.527 línguas das quais mais de 4.000 ainda não possuem Bíblias traduzidas.

A população mundial conta com 1,1 bilhão de pessoas que são analfabetas, e somente serão alcançadas se ouvirem e crerem no Evangelho de Jesus.

Segundo estatísticas do Movimento Global de Evangelização, nascem por dia no mundo cerca de 370 mil pessoas enquanto morrem 150 mil.

85 mil morrem por dia sem nunca terem ouvido falar de Jesus e 2,5 milhões de pessoas morrem a cada mês sem terem sido evangelizadas.

No primeiro século da nossa era havia 360 não-cristãos para cada cristão no mundo. Em 1901 havia 40 não-cristãos para cada cristão, e hoje existem apenas 7 não-cristãos para cada cristão em todo o mundo.

Se temos 7 bilhões de pessoas no planeta, então matematicamente se cada crente evangelizasse sete pessoas no mundo em um ano, em apenas um ano todo o mundo seria evangelizado.

Existem 900 congregações cristãs para cada povo não alcançado no mundo, mas quantos destes povos a igreja está disposta a adotar? Que povo você irá adotar para interceder e alcançar? Cada um de nós é um missionário em potencial. Cada um de nós pode fazer parte da grande tarefa da evangelização mundial. “Missão se faz com cada crente!” (Pastor Luiz Antonio). Vamos obedecer a ordem e o Plano de Jesus, de ir “por todo o mundo, pregar o Evangelho a toda criatura”.

Motivos para Evangelizar a África – Série Missiologia – Pastor Luiz Antonio.

Além do motivo óbvio que é a salvação das almas e libertação da escravidão do pecado; a África possui:

  • Motivos para evangelizar a África web800 milhões de habitantes
  • 54 países – 42 Dialetos
  • É um continente assolado por guerras, pobreza, e doenças…
  • 70% das pessoas contaminadas pela AIDS são africanas…
  • 90% das vitimas da malária no mundo são africanas…
  • No continente africano há 320 milhões de muçulmanos, ou 40% da população…
  • 360 milhões de pessoas ou 45% da população seguem religiões afro, repletas de sacrifícios a demônios e enganos malignos.

Pobreza

  • 34 das 50 nações menos desenvolvidas do mundo estão na África.
  • A pobreza na África se deve à corrupção, dívida nacional, comércio internacional desigual e má gestão de recursos.

Doença

  • 64% das pessoas vivendo com AIDS no mundo estão na África subsaariana.
  • Das 2.5 milhões de crianças soropositivas do planeta, 90% moram na África e existem 12 milhões de órfãos por causa da AIDS morando na África subsaariana.
  • 22 milhões de pessoas na África subsaariana vivem com AIDS, o que somam 5% do total da população. Com os “coquetéis anti-HIV”, altamente disponíveis em alguns lugares da África, a taxa de morte pela AIDS tem diminuído substancialmente, mas ainda é alta.
  • A malária mata mais que a AIDS – cerca de 1 milhão de pessoas morre de malária todos anos no mundo, sendo que, 90% delas estão na África.

Fome e Água Potável

  • A fome é a forma mais extrema de pobreza.
  • A subnutrição é o motivo de mais de 50% das mortes de crianças na África.
  • 200 milhões de africanos estão constantemente subnutridos.
  • A maior mortalidade na África vem de doenças ligadas à água, que poderiam ser evitadas. Mais de 50% dos africanos sofrem por conta de doenças relacionadas à água.
  • A água potável é algo raro na maioria das nações africanas, especialmente nas áreas urbanas, que estão crescendo rapidamente.

Mulheres e Crianças em Situação de Risco

  • Na África, 10 milhões de crianças vivem sem lar.
  • Na África subsaariana, 04 em cada 10 crianças em idade escolar infantil não frequentam a Escola.
  • 01 em cada 06 crianças africanas morre antes de completar 05 anos.
  • O abuso contra mulheres é cruel e, normalmente, fica impune. A mutilação genital feminina é uma das piores violações dos Direitos Humanos das mulheres.
  • Mais de 02 milhões de meninas por ano são mutiladas genitalmente. Em alguns países, isso acontece a 98% das mulheres.

Liderança e Governo

  • Na África, já houve mais de 80 golpes militares e 180 tentativas sem sucesso.
  • Em muitos países africanos, as posições de liderança foram exploradas visando o ganho pessoal.

Violência e Guerra

  • Na África, as guerras desde 1980, resultaram em mais de 9 milhões de refugiados e desabrigaram pessoas em 28 nações africanas.
  • Cada conflito resultou em um grande número de mortes de inocentes.
  • Milhares de pessoas morreram por causa da Guerra Civil na República Democrática do Congo na última década – a maioria delas, civis.

Povos Não-alcançados

  • 27% dos 4.000 povos menos alcançados do mundo estão na África.
  • Só no Sudão, há 73 tribos não-alcançadas e ainda não adotadas por igrejas ou agências missionárias.
  • Mais de 800 línguas africanas têm necessidade de tradução da Bíblia.

 

Religião

 

  • No Século XX, o número de cristãos africanos aumentou de 10 para 360 milhões,mas apesar do crescimento do Cristianismo…
  • Na África Ocidental, cerca de 16 milhões de pessoas praticam o vudu, (vodum, vodun, voodoo ou vodu).
  • Em muitas nações africanas, grande parte da população tem algum envolvimento com práticas de bruxaria e feitiçaria.
  • Sistemas de crenças tradicionais (adoração ancestral) e o uso da bruxaria (ou o medo dela) é abundante em toda a África – e, muitas vezes, isso continua mesmo com a conversão ao cristianismo.
  • O envolvimento com a bruxaria é bem diversificado, desde o uso de poderes espirituais para fazer o mal a outros, até o uso deles para prever o futuro e tentar curar pessoas.

Varanasi, a Cidade Sagrada da Índia – Série Missiologia – Pastor Luiz Antonio.

Varanasi, a Cidade Sagrada Da ÍndiaA Índia é um país da Ásia Meridional, o segundo país mais populoso do mundo, o sétimo maior em área geográfica e a democracia mais populosa do Planeta.

Varanasi é uma cidade do estado de Uttar Pradesh, na Índia. Localizada às margens do Rio Ganges, tem mais de 3.000.000 de habitantes e é uma das cidades mais antigas do mundo e a cidade mais sagrada do hinduísmo.

Varanasi é a cidade de Shiva – O deus da destruição. Shiva é um dos principais deuses do hinduísmo, que juntamente com Brama e Vixnu forma a trimúrti, a trindade divina hindu.

shiva-bhrama-vishnu-1030x702Brahma é o deus da criação; Vishnu, o deus da preservação; e Shiva, o deus da “destruição e regeneração”.

Shiva - O deus da destruiçãoNa tradição hindu, Shiva (Xiva) é o destruidor, por que destrói para construir algo novo, motivo pelo qual muitos o chamam de “renovador” ou “transformador”. É conhecido como o auspicioso, o propício, amável, o benigno e o benevolente.

Varanasi é uma cidade de ruas extremamente sujas, pois a coleta de lixo naquele local é precária. Existem mais de 2 mil templos hindus em Varanasi e cerca de 200 milhões de muçulmanos vivem ali.

A Índia é o berço do Budismo, e o corpo do primeiro Buda está enterrado em Sarnath, cidade próxima de Varanasi.

Saranate ou Sarnate, também referido como Sarnath, é uma localidade da cidade de Varanasi, no estado de Uttar Pradesh, na Índia. É reverenciada pelos budistas por ter sido o local onde o fundador da religião, Sidarta Gautama, teria realizado seu primeiro sermão, após ter criado a sua doutrina.

Em Varanasi vivem Milhares de almas que do ponto de vista do cristianismo estão mergulhadas em densas trevas espirituais. Esta cidade recebe pessoas de toda a Índia para adorar os seus deuses, sendo um deles a vaca, animal comum de se ver nas ruas de Varanasi.SAMSUNG CAMERA PICTURES

Os Indianos adoram macacos, ratos, arvores e o rio Ganges. O Rio Ganges é um dos sete rios sagrados da Índia, cujas águas são formadas pelo degelo das enormes montanhas do Himalaia. Nasce no Tibet, atravessa o norte indiano e desagua no Oceano Índico.

A população, que vive em suas margens, retira do Ganges a água e os alimentos que consome. O Ganges tem um grande valor espiritual para os adeptos do hinduísmo, que tomam banho nas suas águas, crendo que o rio possui a capacidade de purificá-los de todos os pecados.

SAMSUNG CAMERA PICTURESPessoas idosas vão ali para morrer, pois creem que se falecerem nesse local sagrado, o seu ciclo de reencarnações termina, ficando livre da Roda de Samsara, conforme prega o hinduísmo.

Nas águas do Ganges, milhões de pessoas fazem o ritual de purificação. Sendo, sem dúvida, um dos maiores centros de peregrinação do mundo. Nas suas margens, há vários postos de cremação, onde os mortos são queimados, ininterruptamente, e as cinzas encontram seu destino final em suas águas. As famílias que trazem seus mortos, para serem cremados, acreditam que esses serão purificados e se libertarão da servidão material.

Na Índia, a tradição de se banhar no rio Ganges não foi interrompida, apesar de sua crescente poluição. Milhões de hindus banham-se ali, para se purificarem dos pecados e ascenderem a uma nova reencarnação, numa casta superior à que estava.

482-ganges-204023-31032012Milhares de devotos banham-se, oram, oferecem velas acesas, bebem sua água e lançam no Ganges as cinzas e os ossos de seus entes queridos, cremados nas escadarias desse mesmo “rio santo”.

Varanasi_012

Quem não pode pagar a cremação de seus familiares, joga os corpos no rio ou os deixa apodrecer nas margens. E muitas mães afogam seus filhos recém-nascidos, principalmente meninas, como sacrifício aos deuses. O Rio Ganges é um mundo à parte.

Nele, pessoas lavam roupas, tomam banho, escovam os dentes, assim como vacas (que são deuses para os Hindus) podem ser vistas, mortas ou vivas, dentro de suas águas.

Além disso, águas de enxurradas vindas das ruas, cheias de fezes humanas, de vacas, de porcos, de cachorro e outros animais são despejadas no rio. Somente na cidade de Varanasi existem 32 saídas de esgoto para o Ganges, o que torna as peregrinações muito perigosas.

8beba2174722c0c6913f636574025ac0db84688eA Organização Mundial da Saúde vem estudando uma forma de despoluir esse rio, que é a principal causa da mortalidade infantil na região. Mesmo assim, é impossível não notar os rostos felizes, cheios de paz e espiritualidade que emergem de suas águas.

Sendo inútil qualquer tentativa de proibir que bebam dessas mesmas águas ou que se leve garrafas cheias com a “água sagrada” para casa, para supostos tratamentos. Os fiéis caminham quilômetros para descer até o Ganges e esperam, pacientemente, sua vez, para lavar nele seus pecados, nos poucos metros de faixa de água habilitados para esse ritual.

Liderados por sadhus (homens considerados sagrados), eles cobrem o corpo de cinzas e correm para o rio, sem roupa, usando apenas guirlandas de flores. A cena de imensas fogueiras, para cremar os corpos dos mortos, se repete todos os dias.

As mulheres estão proibidas de assistirem às cerimônias de cremação, porque ao chorar, impedem que a alma vá para o Nirvana.

Antes de serem cremados, os corpos são lavados nas águas do rio, é comum ver famílias tirando fotos ao lado do morto, na sua pira crematória.

O parente, que acende a fogueira, tem a cabeça toda raspada, em sinal de luto. Ao final da cremação todos os familiares presentes deverão tomar um banho no rio. Os ossos da bacia feminina e do peito masculino não queimam completamente, sendo os restos jogados no Ganges.

Bebês, crianças de até 5 anos de idade, brâmanes, mulheres grávidas, sadhus, iogues, pessoas que morreram picadas por cobras, vítimas de hanseníase ou varíola e animais, não são cremados, são amarrados a uma pedra e jogados no fundo do rio. Muitas vezes os cadáveres se desprendem das pedras e voltam à superfície, sendo muitos corpos devorados por animais.

Quando o rio está com baixo volume de água, o “ghat” fica com três níveis: inferior, médio e superior. As cremações, então, ocorrem por castas. A casta inferior é cremada no nível mais baixo do solo e a casta mais alta no nível mais alto.

A madeira usada para a cremação, nas castas mais altas, é o sândalo. Homens são enrolados em tecido branco, mulheres em vermelho, idosos em roxo. A casta mais alta tem um forno especial. O crematório ou “burning ghat” funciona dia e noite e os corpos chegam o tempo todo e de toda maneira.

No Rio Ganges, a vida e a morte andam de mãos dadas, numa permanente festa. O caminho exposto em João 14,6: “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”, não tem sido o caminho espiritual trilhado pela Índia!

Será que este povo e seus mais de 1 bilhão de habitantes estaria pronto para receber o Evangelho de Jesus Cristo, único e verdadeiro caminho, e ter seus pecados realmente lavados no sangue do Eterno Cordeiro de Deus? Sim estão. Milhares de indianos têm deixado de adorar o Ganges e têm se rendido a Jesus. Ore pela Índia!

Mahatma Gandhi disse certa vez , “Se todos os cristãos vivessem o que pregam a Índia seria Cristã”. Atente para isso!

Mahatima Ghandi

                                                                                                  Compilado por Pastor Luiz Antônio.

ENTUSIASMO E DECEPÇÃO NAS MISSÕES – SÉRIE MISSIOLOGIA – PASTOR LUIZ ANTONIO. 

Entusiasmo e Decepção nas Missões WebGeralmente quando uma igreja local se envolve com missões a empolgação se torna muito grande e ela quer ver os resultados imediatamente, especialmente quanto ao envio de obreiros. E, se isso não acontece logo, ela começa a pensar que não está agindo como uma igreja missionária.

Desse modo, muitas igrejas, assim que identificam a chamada e qualificações na vida de alguém, o enviam imediatamente, já que a pessoa confessou ter uma chamada missionária, é ativo nos trabalhos locais e cumpre os requisitos e qualificações bíblicas exigidas na vida de um vocacionado. A igreja entende que é tudo o que precisa para transformar essa pessoa em um missionário.

Mas, é muito importante que se evite esta precipitação, pois na maioria dos casos irá resultar em algum tipo de decepção ou desapontamento para a igreja que envia.

Quando se está entusiasmado com missões, achamos que certas pessoas são perfeitas para o campo, e nos esquecemos que a realidade cultural, social, financeira e espiritual do campo missionário poderá ser bem diferente daquela com a qual o enviado estava acostumado. Essa mudança brusca de ambiente e realidade poderá fazer com que o missionário recém enviado se decepcione.

Além disso, com o choque transcultural (se não houver preparo e treinamento prévios) o missionário não irá corresponder às expectativas da igreja que o enviou, e em situações mais complexas, poderá até desistir da chamada e voltar à igreja de origem, cansado e decepcionado. Para a igreja, isso poderá resultar em uma enorme decepção e desmotivação com relação a missões.

Então, não podemos correr o risco de enviar alguém para o campo sem o devido preparo teológico, cultural, intelectual e espiritual.

O investimento em treinamento e preparo espiritual do vocacionado em um instituto bíblico ou agência missionária, se preparando para o campo missionário para enfrentar uma nova realidade, não pode ser entendido como desperdício de tempo e dinheiro.

Não podemos, em nome da urgência missionária, preferir correr o risco de enviar o obreiro despreparado, mesmo que isto venha a gerar decepções para o missionário e para a igreja mantenedora.

A emoção exagerada no trabalho de missões é prejudicial, então vamos seguir o modelo do “Grande Manual de Missões”; o livro de “Atos dos Apóstolos”, e enviar somente na total direção do Espírito Santo.

1Na igreja que estava em Antioquia havia alguns profetas e doutores, a saber: Barnabé, e Simeão, chamado Níger, e Lúcio, cireneu, e Manaém, que fora criado com Herodes, o tetrarca, e Saulo. 2E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o Espírito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado. 3Então, jejuando, e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram. (Atos 13, 1-3).

A diferença entre missionário e missiólogo – Série Missiologia – Pastor Luiz Antonio. 

Missionário e MissiólogoEstes dois homens têm chamados, disposição e ações diferentes, sendo, contudo, igualmente importantes para a pregação do Evangelho.

O Missionário é aquele que se dedica a pregar o Evangelho para a conversão de alguém à sua fé, especialmente entre povos pagãos.

O missionário precisa:

  1. Ter a chamada de Deus para este ministério.
  2. Ter espírito de servo.
  3. Ter amor ao próximo, fé, coragem, e estar disposto a se sacrificar pelas pessoas.
  4. Conhecer a Bíblia.
  5. Ter boa saúde.
  6. Ter conhecimento dos objetivos e características do trabalho que vai realizar.
  7. Fazer um treinamento transcultural caso seja chamado para trabalhar em outra cultura muito diferente da sua.
  8. Ter conhecimento da língua do povo para onde vai, ou a disponibilidade para a aprender.
  9. Estar disposto a dedicar muito tempo para aprender o idioma local.
  10. Conhecer a cultura, religião, hábitos e regras sociais do povo da região de destino para não cometer erros ou ofender alguém.

Jonathan Edwards – David Brainerd – William Carey – Adoniram Judson, David Livingstone – John Paton – Hudson Taylor, são exemplos missionários a serem seguidos.

O Missiólogo – É aquele que é versado em missiologia. É o especialista em missões.

O missiólogo é diferente do missionário como o astronauta é diferente do astrônomo. Enquanto o astrônomo é o cientista que estuda os corpos celestes como planetas, estrelas e galáxias, o astronauta é aquele que se aventura a ir aos lugares que o astrônomo estuda.

Enquanto o missiólogo formula estratégias missionárias, estuda a cultura de um povo, entre outras coisas, o missionário é aquele que vai ao campo testar as ideias e estratégias traçadas pelo missiólogo.

O trabalho do missiólogo existe porque o conhecimento que as igrejas locais têm para a realização de missões e o plantio de igrejas com sucesso no restante não evangelizado do planeta, muitas vezes é insuficiente.

  1. As vezes faltam instrumentos, tanto físicos quanto humanos.
  2. As vezes falta preparo prático.
  3. As vezes falta Instrução sobre como fazer, falta técnica, etc.; enfim, as vezes falta-nos um manual sobre “como fazer”, (apesar do Livro de Atos), e é aí que entra o trabalho do missiólogo.

 O grande desafio para o missiólogo é a preparação teológica e treinamento de obreiros para o envio, principalmente os transculturais.

O trabalho do missiólogo é de grande valor para o missionário porque através de um estudo Antropológico o missiólogo faz o mapeamento cultural do Povo que interessa à igreja local, define a hierarquia social, a hierarquia espiritual, as expressões ritualísticas e cerimoniais, a cosmologia[1], as cosmovisões e os costumes, além da linguagem interativa e as formas de comunicação do povo a ser evangelizado, facilitando muito o trabalho do missionário.

Em suma o missiólogo é aquele que levanta questões que são socialmente relevantes para a implantação de igrejas entre o povo ainda não alcançado afim de receber respostas biblicamente centradas, e ao final proporcionar uma transformação de vida real para este Povo através de um Evangelho que faça sentido na cultura dele e não apenas na mente e coração do missionário que o transmite.

O missionário é o homem da ação, enquanto o missiólogo é o homem do estudo. Enquanto um pensa em pregar, o outro pensa em como pregar.

[1] Cosmologia é o ramo da astronomia que estuda a origem, estrutura e evolução do Universo a partir da aplicação de métodos científicos. Em relação a missões tem a ver com a forma como um povo entende o universo e seu funcionamento.

Como devem ser realizados cultos missionários – Série Missiologia – Por Pastor Luiz Antonio.

COMO DEVEM SER REALIZADOS OS CULTOS MISSIONÀRIOSPode ser realizado uma ou mais vezes por mês, mas nunca menos, isto se realmente estamos levando missões a sério e deve ser feito com objetivos claros e específicos.

A pessoa que esteve num culto missionário deve sair do templo com a certeza de que esteve num culto missionário. O culto missionário não deve ser confundido com o culto normal, deve ser diferente e de caráter estritamente missionário. Não se deve tratar de qualquer outro assunto que não seja missões nestes eventos, afim de não descaracterizá-lo, pois através do Culto Missionário a chama missionária pode ser acesa dentro do crente.

10 regras básicas para o culto missionário.

1)  Convidar somente preletores que tenham um verdadeiro envolvimento com missões é essencial se você quiser ter um verdadeiro CULTO MISSIONÁRIO. Caso não conheça nenhum você pode pedir ajuda às Agências Missionárias.

2)  Se possível, trazer missionários que estejam vindo ou se preparando para ir ao campo missionário.

3)  Os hinos devem ser missionários. Para isto é bom lembrar os músicos e os grupos previamente, para que preparem hinos com tema missionário. Cultos missionários não são ocasiões para se trazer muitos cantores, ou dar prioridade a grupos locais que cantam em todos os cultos da igreja.

O principal são os testemunhos dos missionários, de algum irmão que viveu uma experiência na evangelização, a projeção de informações, e principalmente a pregação que deve ser de cunho especificamente missionário. Os cantores devem ser poucos e que tenham hinos missionários.

4)  Toda a oferta deste culto deve ser destinada ao departamento de missões. A Igreja Local já tem vários dias para recolher ofertas para si mesma e esta com certeza não lhe fará falta. Também é uma oportunidade para ver se alguém ainda não tem seu envelope de oferta missionária e desafiá-lo a pegar o seu.

5)  As orações do início e durante o culto devem sempre ser por motivos missionários. Por países onde a Igreja sofre perseguição, por missionários, pelos povos não alcançados e pelo que mais o Espírito Santo orientar.

6)  Deve-se ter o cuidado de que tudo o que acontecer neste culto tenha realmente um fundo missionário, contribuindo para o ambiente espiritual do culto. Portanto dirigente, cuidado para quem você vai dar oportunidades para não desviar o culto do seu propósito principal, que é promover despertamento missionário.

7)  No culto missionário você pode promover a arrecadação de recursos especiais (ofertas) para a obra missionária. Esta ocasião é propicia para convidar a igreja a fazer um propósito de oferta de fé para missões, que é uma oferta especial a ser entregue em um ou mais meses. Também se pode promover cantinas, venda de artigos missionários e outros como meio para arrecadar mais recursos para missões.

8)  Estar sensível a voz do Espírito Santo, para a confirmação de chamadas missionárias nestes cultos é primordial.

9)  O dirigente do culto deve sempre ser alguém cujo coração esteja realmente envolvido com missões. Não se deve dar a direção do culto missionário a alguém que não vá dirigi-lo conforme as instruções acima.

O diretor de missões, ou o representante local de missões, deve orientar previamente a pessoa que irá dirigir o culto mesmo que este seja alguém envolvido com missões.

9)  O diretor de missões deve sempre estar atento ao que acontece no mundo missionário para trazer para a igreja notícias atualizadas sobre o que está acontecendo no campo.

10) Os relatórios missionários devem ser lidos periodicamente nos cultos de missões para que a igreja saiba como estão sendo utilizadas as ofertas.

 

Atribuições da Diretoria de Missões – Por Pastor Luiz Antonio – Série Missiologia.

A SECRETARIA DE MISSÕES FUNCIONA COM:

Um Diretor, um Secretário e um tesoureiro de Missões a nível nacional. O mesmo modelo pode ser aplicado a nível local. Assim a diretoria Nacional de Missões contará com representantes nas congregações locais, chamados “representantes locais de missões”.

O DIRETOR DE MISSÕES. A Diretoria de Missões

É o responsável direto por absorver, desenvolver e compartilhar todos os trabalhos, tarefas, ações e atitudes na esfera missionária e supervisionar as atividades do Tesoureiro, do Secretário e dos representantes locais.

Tudo o que estiver relacionado a MISSÕES no campo missionário, na Sede Nacional e nas congregações locais será a área de atuação do Diretor de Missões, desde a etapa da coleta de informações até a concretização da ação final. Em suma, o diretor de Missões é o divulgador, orientador, realizador e multiplicador de Missões em sua Congregação e no campo.
Todas as atribuições do DIRETOR DE MISSÕES são outorgadas pelo Presidente Nacional da Igreja.

O TESOUREIRO DE MISSÕES.

Tudo o que estiver relacionado às finanças de MISSÕES no campo e nas congregações locais será a área de atuação do tesoureiro.

Compete ao Tesoureiro:

  1. a) Ter sob sua guarda e responsabilidade valores em espécie e documentos contábeis;
  2. b) Efetuar remessa de dinheiro para missionários mantidos pela igreja;
  3. c) Elaborar relatórios financeiros.
  4. d) Manter livros contábeis próprios; e apresentar relatórios financeiros ao tesoureiro nacional da Igreja. A tesouraria de missões está subordinada à tesouraria geral da Igreja. O trabalho do Tesoureiro de missões está subordinado ao diretor de missões.

O SECRETÁRIO DE MISSÕES.

O Secretário de Missões cuida de toda a propaganda e divulgação que se fizer necessária para o bom andamento da secretaria de missões.

  1. Organiza arquivos com informações missionárias,
  2. Organiza a biblioteca missionária,
  3. Cuida do cadastro de missionários, correspondências e propaganda em geral.

O trabalho do secretário de missões está subordinado ao diretor de missões.

OS REPRESENTANTES LOCAIS DE MISSÕES

são os divulgadores, orientadores, realizadores e multiplicadores de Missões em suas congregações, sempre fazendo conhecer o seu trabalho ao DIRETOR de MISSÕES.

O trabalho do representante local de missões deve sempre estar subordinado ao pastor local. O êxito da Obra Missionária na Congregação local depende do trabalho do representante local.

A diferença entre grupo de evangelismo e Secretaria de Missões – Série Missiologia – Pastor Luiz Antonio. 

A Diretoria de MissõesO motivo dessa publicação de hoje é esclarecer a diferença entre Secretaria de Missões e grupo de evangelismo. Muitos desconhecem as obrigações da Secretaria de Missões e assim fazem cobranças que não dizem respeito à suas atribuições.

A Secretaria de Missões age mais a nível burocrático em relação à pregação do Evangelho; enquanto o grupo de evangelismo age diretamente na ação evangelística no bairro onde a igreja está plantada.

Na igreja local, a evangelização é obrigação, primeiro do grupo de evangelismo, caso haja um, não da secretaria de missões. Eu gosto mais da ideia de uma igreja inteira envolvida no evangelismo do que de um grupo de evangelismo na igreja local, porque o cumprimento do IDE é missão para cada crente e não para um grupo elitizado dentro da congregação. Quando existe um grupo de evangelismo os demais membros da igreja se acomodam achando que a tarefa da evangelização foi dada somente a essas pessoas.

Uma olhadinha rápida nas atribuições da secretaria de missões deixará claro que seu trabalho é burocrático. Mas isso não quer dizer que os membros da secretaria de missões não cumprem o IDE em suas vidas!

As funções básicas de uma Secretaria de Missões são:

1)  Coordenar toda a ação missionária da igreja local, sempre em parceria com o Pastor.

2)  Envolver a igreja em oração intercessora constante pelos missionários e campos de maior necessidade; tais como: Janela 10/40, Janela Verde, Janela 4/14 e Povos não-Alcançados, etc..

3)  Informar a igreja das vitórias, necessidades e motivos de oração dos missionários.

4)  Manter contato com missionários que estão no campo, prestando o apoio moral, espiritual e financeiro necessários, e também estimular a outros irmãos que façam o mesmo.

5)  Descobrir vocações, apresentá-las à igreja e cuidar de todo o preparo do vocacionado.

6)  Promover cultos missionários, conferências, seminários, cursos e outras atividades similares para o despertamento e maior envolvimento da Igreja com missões.

7)  Organizar uma biblioteca missionária.

8)  Se possível organizar um boletim informativo (jornal missionário).

9)  Adquirir cartazes, bandeiras, e outros materiais de ornamentação que desperte a atenção para o tema missões.

10) Arrecadar recursos financeiros para a obra missionária. Uma boa maneira é incentivar cada crente a ter seu envelope de oferta missionária para que ele possa contribuir sistematicamente todos os meses.

11) Apresentar à Igreja relatório financeiro, bem como das atividades dos missionários.

A função básica de um grupo de evangelismo: (Mc. 16,15) “…IDE por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura…”

Fazendo Funcionar uma Secretaria de Missões – Série Missiologia – Por Pastor Luiz Antonio.

Fazendo Funcionar uma Secretaria de Missões - Série Missiologia - Por Pastor Luiz Antonio.Não basta criar uma Secretaria de Missões apenas por criar, é necessário que ela funcione exercendo fielmente suas atividades.

A Secretaria de Missões deve manter a igreja sempre bem informada a respeito da obra missionária de maneira geral e de seus obreiros no campo.

As funções básicas de uma Secretaria de Missões são:

1)  Coordenar toda a ação missionária da igreja local, sempre em parceria com o Pastor.

2)  Envolver a igreja em oração intercessora constante pelos missionários e campos de maior necessidade; tais como: Janela 10/40, Janela Verde, Janela 4/14 e Povos não-Alcançados, etc..

3)  Informar a igreja das vitórias, necessidades e motivos de oração dos missionários.

4)  Manter contato com missionários que estão no campo, prestando o apoio moral, espiritual e financeiro necessários, e também estimular a outros irmãos que façam o mesmo.

5)  Descobrir vocações, apresentá-las à igreja e cuidar de todo o preparo do vocacionado.

6)  Promover cultos missionários, conferências, seminários, cursos e outras atividades similares para o despertamento e maior envolvimento da Igreja com missões.

7)  Organizar uma biblioteca missionária.

8)  Se possível organizar um boletim informativo (jornal missionário).

9)  Adquirir cartazes, bandeiras, e outros materiais de ornamentação que desperte a atenção para o tema missões.

10) Arrecadar recursos financeiros para a obra missionária. Uma boa maneira é incentivar cada crente a ter seu envelope de oferta missionária para que ele possa contribuir sistematicamente todos os meses.

11) Apresentar à Igreja relatório financeiro, bem como das atividades dos missionários.

Você pode delegar este trabalho. É importante que todos os membros da Igreja estejam envolvidos, pois, além de ajudar nos serviços, estarão colocando a mente e o coração na obra missionária.

Como criar uma secretaria de missões?  Série missiologia – Por Pastor Luiz Antônio. 

COMO CRIAR UMA SECRETARIA DE MISSÕESUma Secretaria de Missões bem estruturada e que consiga desempenhar bem suas atribuições é necessária para que a igreja local esteja bem informada e envolvida na obra missionária.

Ainda que o pastor seja a pessoa principal para estimular e desenvolver a visão missionária na igreja local, porque ele é a autoridade mais expressiva na igreja, conforme falamos na nossa última publicação, ele não vai conseguir fazer sozinho, portanto, a criação de uma secretaria de missões será um passo importante que a igreja local deve dar rumo ao objetivo de cumprir o IDE de Jesus!

Um departamento de missões é importantíssimo na igreja local, mas só poderá ser criado se tiver o apoio do pastor. Se o pastor não der seu apoio e concordância é quase certo que a obra de missões não vai funcionar na igreja local. Portanto se seu pastor não tem a visão missionária, ore para que ele seja tocado e despertado pelo Espírito Santo.

Mas, se o seu pastor tem a visão missionária, não perca tempo, se coloque ao lado dele e se ofereça para ajudá-lo a organizar uma Secretaria Local de Missões, porque mesmo que o pastor tenha esta visão, ele não conseguirá fazer esta obra sozinho, ele precisará de uma equipe que o assessore e trabalhe com ele. O trabalho de missões não foi delegado exclusivamente ao pastor, a um grupo ou ministério na Igreja, foi dado a todo crente.

Caso você queira criar um departamento missionário na sua igreja local, faça isso em concordância com seu pastor para não gerar desconforto pra você e pra sua equipe! Os componentes dessa secretaria de missões devem ser pessoas amantes, praticantes e envolvidas com evangelismo, senão, certamente estará fadada ao fracasso, porquê esta é a obra mais espinhosa e difícil da Igreja!

No departamento de missões não há lugar para quem queira fazer tudo sozinho e brilhar mais do que as outras pessoas. Este departamento é para pessoas abnegadas, portanto não espere ganhar fama ou notoriedade por se envolver com missões. Se este é o seu objetivo, desista!

Agora, se o que comove o seu coração é algo mais do que o desejo de estar envolvido num departamento que você considera destacado na igreja local; se for amor verdadeiro pelas almas que perecem, então seja bem-vindo ao rol dos ilustres trabalhadores do Reino de Deus. Reúna uma equipe cheia do Espírito Santo, com os mesmos sentimentos, apresente-se ao seu pastor e mãos à obra.

 

O Pastor, a pessoa chave para missões na igreja local – Série Missiologia – Por Pastor Luiz Antonio.

O PastorSe você tem acompanhado nossas publicações na série missiologia já deve ter percebido que elas perseguem o objetivo de fazer com que você saiba o que há de mais relevante sobre missões no mundo!

Pretendemos uma missiologia completa para que você fique por dentro das principais necessidades no campo missionário.

Hoje vamos falar especificamente sobre o papel do pastor local em relação a evangelismo e missões.

Ele é a pessoa chave para o envolvimento da igreja local com evangelismo e missões, porque é a ele quem os membros ouvirão e seguirão. Então cabe ao Pastor local despertar, incentivar e levar a igreja a se envolver com a obra missionária.

Se não houver o apoio total e irrestrito do pastor local, qualquer tentativa por parte dos membros ou ministério para envolver a igreja local com missões não terá o sucesso desejado.

O Pastor OSWALD SMITH falou uma frase dura, mas real: “O maior obstáculo para as missões são os pastores”. Ele disse isso por experiência própria!

Se “a tarefa suprema da Igreja é a evangelização do mundo”, e “Se Deus quer a evangelização do mundo, mas por algum motivo o pastor local se recusa a apoiar, fazer ou a sustentar missões, então há uma oposição à vontade de Deus”!

Se o seu pastor ainda não tem visão missionária, compartilhe com ele os vídeos do nosso canal. Presentei ele com livros que falem de missões como os do Pr. Osvald Smith, O Fator Melquisedeque de Don Richardson e ore para que o Espírito Santo fale ao seu coração e o inunde de paixão pelas almas.

Toda semana estudos novos!

%d blogueiros gostam disto: