Interpretando o Apocalipse – Por Pastor Luiz Antonio. CAPÍTULO III – SEXTA CARTA: À IGREJA DE FILADÉLFIA

Clique na imagem e veja o vídeoSexta carta, à Igreja de Filadélfia

“E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre”.

“…O anjo da igreja”. Como os demais, nada se sabe de certo sobre a biografia desse “anjo” (pastor), a não ser aquilo que é depreendido do texto em foco.

Jesus se apresenta a este anjo (pastor) da igreja como “que é santo, o que é verdadeiro” características comuns a ambos (Jesus e o anjo daquela Igreja).

Este pastor estava no meio de lobos ginósticos, mas não negou sua fé!  A expressão tendo pouca força”, pode referir-se (eu penso) ao seu conhecimento, articulação teológica, etc. comparadas ao conhecimento dos mestres gnósticos que se gabavam de sua força e capacidade de articular seus conhecimentos.

FILADÉLFIA. (grego – Philadelphos). O nome significa “amor fraternal”. literalmente, “amor fraterno”, “amor de irmão”: φίλος (philos) significa “amor”, e αδελφός (adelphos), “irmão”.

Situação Geográfica: Filadélfia era uma cidade da província romana da Ásia Menor, atualmente a Alasehir cidade da Turquia está construída em seu lugar.

Fundada em 150 a.C. por Atalo II Filadelfo no vale Cógamo, ao pé do Monte Tmolo a mais ou menos 122 quilômetros de Esmirna. Atalo deu este nome à cidade em homenagem a seu irmão mais velho Eumênes II. Literalmente (Philadelphos) pode ser traduzido como: (Philos/amigo) e (Delphos/irmãos), amigos irmãos ou amor fraterno. Era o que esses dois irmãos eram. Clique no link abaixo e continue lendo…

interpretando-o-apocalipse-capitulo-2-a-igreja-de-filadelfia

Anúncios