Interpretando o Apocalipse – Por Pastor Luiz Antonio. CAPÍTULO III – QUINTA CARTA, À IGREJA DE SARDES

Clique na imagem e veja o vídeo

“…Ao anjo da igreja”.Quinta carta, à igreja de Sardes.jpg

A expressão: “tens nome de que vives” dá a entender que este pastor era um “cristão nominal”[1]. Um cristão só de nome! Tem o nome de cristão, mas não vive como cristão. O que caracteriza um cristão nominal é a sua falta de compromisso com Cristo, porque vive uma experiência puramente emocional e não espiritual. Conhece a Cristo de nome, mas não experimentou o  novo nascimento ou a regeneração.

A carta à Igreja de Sardes conforme dito em comentários anteriores foi escrita no primeiro século 96 d.C.

A História Eclesiástica de Eusébio menciona três vezes “Melito”, um “anjo/pastor” muito famoso dessa igreja, no século II.

Melito escreveu uma apologia, dirigida ao imperador romano, em defesa da fé cristã. Ele foi um crente intenso, dotado de grande poder e autoridade na sua geração, bem diferente do pastor em foco na carta à Igreja de Sardes.

SARDES. O nome em grego significa “príncipe de gozo”.

Geograficamente situava-se no pequeno Continente da Ásia Menor. Era a capital do antigo reino da Lídia.

Sardes já foi uma fortaleza poderosa, mas Ciro, rei da Pérsia a conquistou no ano de (549 a. C.). Essa cidade já esteve também sob o domínio de Antíoco, o Grande.

Na ocasião em que essa carta foi escrita, essa Igreja achava-se em uma situação espiritual melindrosa. O processo de declínio de seu pastor fora tão sutil que, nem fora observado” pelos membros.

[1] Um cristão nominal é um cristão apenas no nome. É alguém que acha que é cristão, se diz cristão; talvez sua cultura, sua família, seus antepassados, sejam cristãos – talvez, eles até vão para a igreja; mas não há fome espiritual em suas vidas, não há desejo de conhecer melhor a Deus. Clique no link abaixo e continue lendo…

interpretando-o-apocalipse-capitulo-2-a-igreja-de-sardes

Anúncios