08 de março – Dia Internacional da Mulher

Ainda nos dias de hoje existem denominações religiosas que discriminam as mulheres, afirmando que estas não devem estar envolvidas na pregação do evangelho. Aproveitando o mês de março onde comemoramos o “Dia Internacional da Mulher”, gostaría de esclarecer “alguns” fatos bíblicos importantes sobre a importância da figura feminina na história bíblica e evangelização. Quando Jesus ordenou: “Ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda a criatura”, Ele estava comissionando todos os cristãos, independente de sexo, raça ou cultura. Ao categorizar os sinais e milagres que acompanhariam o ministério da evangelização, Ele especificou: “Estes sinais seguirão OS QUE CRÊEM” (Mc 16.17). Isto incluía ambos os sexos. Jesus disse: “Aquele que crê em Mim, também fará as obras que Eu faço” (Jo 14.12), isto incluía tanto os homens como as mulheres, e temos observado um grande número de excelentes mulheres líderes que tem sido corajosas o suficiente para proverem isto. João 14.12-14 faz referência a ambos os sexos, e inclui as mulheres, SE AS MULHERES tiverem fé suficiente para crerem e agirem em conformidade com o que está escrito. Dentre os primeiros a serem revestidos com o poder do Espírito Santo, a fim de poderem se tornar testemunhas para Jesus Cristo, encontravam-se algumas mulheres, (At 2.4;1.8). Depois que Jesus subiu ao Céu, várias mulheres se encontram com os outros discípulos no Cenáculo para orarem. Muitas mulheres (embora as escrituras não digam isto especificamente), provavelmente, oraram audivelmente em público. Quando Jesus disse em Atos 1.8: “Recebereis poder depois que o Espírito Santo descer sobre vós”, esta promessa era para as mulheres também. Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, COM AS MULHERES” (At 1.14). Não há duvida. Dentre os que freqüentaram a primeira reunião de oração para receberem o poder prometido encontravam-se mulheres. “E TODOS foram cheios” (At 2.4). Para que? Para cumprirem Atos 1.8: “E ser-Me-eis testemunhas. Isto incluía ambos os sexos. Quando refletimos sobre o estado de supressão da mulher sob o sistema do Templo Judaico da época do Novo Testamento, e o fato de que nem ao menos se lhes permitia aproximarem-se da área de adoração, mas eram restritas ao átrio externo das mulheres, não é nenhum acidente o fato de o Espírito Santo especificar que eles estavam em “oração e súplicas com “AS MULHERES”, e “TODOS foram cheios”, a fim de que TODOS pudessem fazer a obra de evangelização. Tantos homens quanto as mulheres se reuniram na casa da mãe de João Marcos para orarem pela libertação de Pedro, (At 12.1-17). Tanto os homens como as mulheres oravam regularmente nas Igrejas neo-testamentárias. Foi por isto que o apóstolo Paulo deu instruções tanto a homens quanto às mulheres sobre como orarem (e profetizarem) em público, (I Co 11.2-16). As primeiras pessoas a receberem os missionários cristãos na Europa – Paulo e Silas – foram mulheres membros de um grupo de oração.  “E num sábado saímos da cidade e fomos à margem de um rio onde as orações estavam sendo feitas, e, nos assentamos e falamos com as mulheres que lá se encontravam” (At 16.13). Estas mulheres se tornaram os membros fundadores da Igreja de Filipos. Confira no relato de Paulo aos Filipenses 4.1-3. Nesta passagem, as mulheres são mencionadas como aquelas que “…trabalhavam com Paulo no Evangelho”. Indubitavelmente, a contenda que surgiu entre essas mulheres deveu-se a um conflito resultante dos seus papéis de liderança. Podemos citar Lídia como um grande exemplo de evangelização, uma mulher notável, a primeira pessoa européia que se converteu. “E uma certa mulher, chamada Lídia vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, que adorava a Deus, nos ouvia, e o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta a Paulo” (At 16.14). Aparentemente, ela era uma mulher muito rica. Ela tinha uma casa que era grande o suficiente para acomodar a sua própria família, bem como quartos de hóspedes para Paulo e Silas. “E depois que foi batizada, e a sua família também, ela nos rogou dizendo: Se me haveis julgado como sendo fiel ao Senhor, entrai em minha casa e habitai lá…” (At 16.15). Mais tarde, ao ministrar em Filipos, Paulo e Silas foram aprisionados. O terremoto os libertou, e Lídia recebeu de bom grado aqueles apóstolos surrados e feridos em sua casa para descansarem e se recuperarem. “E ao saírem da prisão, eles entraram na casa de Lídia, e quando haviam visto os irmãos, eles os confortaram e depois partiram” (At 16.40). O historiador Eusébio indica em seus escritos que ela dirigiu a Igreja de Filipos por algum tempo. Talvez Lídia fosse uma daquelas a quem este versículo se refere: “E rogo-te… ajuda àquelas mulheres que trabalharam comigo no Evangelho…” (Fp 4.3).  Lídia era, de fato, como uma mulher virtuosa de provérbios 31.A Bíblia diz que Priscila explicou ao poderoso pregador Apolo “…o caminho de Deus mais perfeitamente” (At 18.24-28) . Isto é muito surpreendente, pois Apolo é descrito como sendo “…um homem eloqüente e poderoso nas escrituras…” (At 18.24). Na Igreja de Cencréia havia uma diaconisa chamada Febe, a qual Paulo disse que “…era ajudante de muitos” (Rm 16.2). O historiador Eusébio diz que ela supervisionava duas Igrejas e viajava extensivamente em seu ministério. Teríamos muitos outros exemplos de mulheres atuando no ministério de maneira poderosa e abençoada, e é algo surpreendente quando muitas denominações religiosas dos dias atuais não permitem que as mulheres nem ao menos falem. Que no Dia das Mulheres, 08 de março, tenhamos um dia reflexivo entendendo que também elas foram comissionadas pelo Senhor Jesus Cristo. Parabéns mulheres!

Autor desconhecido.

Anúncios